• Instagram - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Facebook - Black Circle

© 2019 por Dr. Artur Reis

Câncer do Peritôneo

O peritônio é uma membrana celular que reveste a parte interna da cavidade abdominal e recobre os órgãos da cavidade abdominal. Toda essa camada é rica em vasos do sistema linfático, que funcionam como sistema de defesa do organismo. Infelizmente, o peritôneo pode ser invadido por células neoplásicas. Esta condição é mais comumente referida como "câncer peritoneal", mas também foi chamada de malignidade da superfície peritoneal, carcinomatose peritoneal, metástases peritoneais ou pseudomixoma peritonei.

O câncer de peritônio pode ser classificado como primário ou secundário. Chama-se primário o câncer que se forma na própria membrana e secundário quando ele inicia em algum outro órgão (intestinos, ovário, útero, estômago, pâncreas, etc...) e se implanta no peritônio.

O câncer primário de peritônio é conhecido como mesotelioma e também pode originar-se dele um carcinoma semelhante ao câncer de ovário. Já o câncer que vem de outros órgãos e se implanta no peritônio é conhecido como carcinomatose peritoneal.

Incidência

Durante muito tempo, o câncer do peritôneo foi considerado uma doença rara. Esta percepção ainda pode ser verdadeira para subtipos específicos de câncer peritoneal, como mesotelioma maligno e pseudomixoma peritonei (PMP). No entanto, todos os anos, centenas de milhares de pacientes em todo o mundo são diagnosticados com câncer peritoneal originário de um tumor primário localizado em outras partes do organismo, como câncer de cólon, câncer gástrico ou câncer de ovário.

Sintomas do câncer de peritônio

Nos estágios iniciais, o câncer peritoneal pode ser assintomático. Frequentemente, o câncer peritoneal é descoberto por completa surpresa durante a cirurgia para o tumor primário. Mesmo durante a fase assintomática, a doença pode ser generalizada e avançada, o que suporta a reputação do câncer peritoneal como uma "neoplasia silenciosa".

Leia mais sobre os sintomas

Quando o peritônio é o segundo alvo

Mais frequentes do que os diagnósticos de câncer primário no peritônio são os casos em que um tumor de estômago, intestino ou ovário, por exemplo, cresce, se espalha e se implanta no peritônio. Nessas situações, células tumorais se desgrudam do órgão acometido e conseguem migrar e se implantar no peritônio, contribuindo para a disseminação da doença. É o que os médicos chamam de carcinomatose peritoneal. Quando a doença alcança esse estágio, os recursos terapêuticos englobam desde quimioterapia até intervenções cirúrgicas.

Pseudomixoma Peritonei

Pseudomixoma peritonei é o acúmulo de neoplasia mucinosa peritoneal. Tem como principal fonte o apêndice cecal, mas pode se originar no ovário. Caracteriza-se pela ascite mucinosa, que é o acúmulo de muco na cavidade abdominal. Tem a característica de ser mal respondedor à quimioterapia venosa e tem como principal forma de tratamento a citorredução completa seguida de HIPEC (qiomioterapia intra-peritoneal hipertérmica).

Câncer primário no peritônio

O câncer primário no peritônio é considerado raro, acometendo algo em torno de quatro ou cinco pessoas numa população de 100 mil. Seus fatores de risco ainda não são muito bem conhecidos e a doença não apresenta sintomas específicos.

Quando progride, o câncer primário no peritônio favorece o aparecimento de nódulos, podendo causar dor abdominal e acúmulo de líquido. Como em qualquer tumor, quanto mais cedo é feito o diagnóstico, mais positiva é a resposta ao tratamento. O tratamento é baseado na quimioterapia, que ataca e minimiza o tumor. Em alguns casos, após reavaliação médica, se opta por procedimentos cirúrgicos que visam remover lesões residuais e por quimioterapia intraperitoneal hipertérmica.

Tratamento

A carcinomatose peritoneal é tratada, habitualmente, com quimioterapia por via venosa. Nos casos de implantes peritoneais de tumor mucinoso de apêndice ou ovário (Pseudomyxoma peritonei) e mesotelioma, a melhor forma de tratamento é a cirurgia citorredutora que consiste na retirada de tudo aquilo que é visível e na lavagem da cavidade abdominal por uma hora e trinta minutos com uma solução contendo quimioterápicos aquecida até 42ºC. Essa modalidade de tratamento também pode ser usada para carcinoma primário do peritônio, câncer no ovário e intestino grosso, na maioria das vezes, após quimioterapia venosa. 

Leia mais sobre as formas de tratamento

1: 1 milhão

Subtipos raros

O mesotelioma maligno e o pseudomixoma peritonei são subtipos raros de câncer peritoneal, que afetam aproximadamente uma a duas pessoas por milhão de pessoas por ano.

10 a 30%

Causas comuns do câncer peritoneal

O câncer peritoneal do câncer de cólon é muito mais comum: pelo menos 10% dos pacientes com câncer de cólon desenvolverão câncer peritoneal em algum momento de sua doença. Para o câncer gástrico, esta porcentagem é ainda maior, com estimativas de até 30% dos pacientes. Em todo o mundo, centenas de milhares de pacientes desenvolverão câncer peritoneal a cada ano como resultado de um tumor em outro lugar do corpo.

Expectativa de vida

Se não for tratado, o tempo médio de sobrevivência para pacientes com câncer peritoneal pode ser aproximadamente de seis semanas para pacientes com câncer de pâncreas ou seis meses para pacientes com câncer de cólon. O tempo de sobrevivência pode ser consideravelmente mais longo quando o tratamento adequado é fornecido!!!!

"O tempo de sobrevivência pode ser consideravelmente mais longo quando o tratamento adequado é fornecido!!!!"

Video explicativo (em inglês)