• Instagram - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Facebook - Black Circle

© 2019 por Dr. Artur Reis

Colelitíase ( pedra na vesícula)

 

O que é colelitíase?
 

A colelitíase é definida como pela presença de cálculos na vesícula biliar. É a doença gastrointestinal mais comum e estima-se que acometa aproximadamente 15% da população e que cerca de 600.000 colecistectomias sejam realizadas anualmente nos Estados Unidos.

 

Como acontece?
 

Uma série de fatores de risco está envolvida na formação dos cálculos. Ela pode ocorrer na infância e na adolescência, mas predomina na quinta década de vida e pode aumentar progressivamente com a idade. Na mulher entre 45 e 55 anos, a incidência oscila entre 10 e 30%.

 

Fatores de Risco
 
  • Sexo feminino 

  • Idade entre 40 e 60 anos

  • Uso de anticoncepcionais e estrógenos

  • Gestação (quanto mais vezes, maior o risco)

  • Obesidade

  • Doenças hematológicas (anemia falciforme, talassemia, etc...)

 

 
Sinais e sintomas?
 

Muitos doentes apresentam sintomas dispépticos (dor de estômago), intolerância a alimentos gordurosos, má digestão e flatulência. Existem alguns paciente que não tem nenhum sintoma e a descoberta dos calculos se faz durante exames solicitados por outros motivos.

 

Os principais sintomas são:

  • Dor do tipo cólica no quadrante superior direito do abdome, que pode irradiar para as costas ou para o ombro direito

  • Náuseas e até vômitos

  • Sensação de má digestão

  • Flatulência

  • Intolerância à ingestão de gorduras

 

Diagnóstico
 
  • ​O melhor exame para diagnosticar colelitíase é o Ultrassom de abdome superior que tem elevada sensibilidade (95 a 98%) para detectar cálculos na vesícula biliar.

 

Tratamento
 

A colecistectomia é tratamento de escolha para os pacientes portadores de colelitíase, sendo a via laparoscópica como o procedimento a ser indicado.

 

  • Internação de 12 a 24 horas

  • Anestesia geral

  • Baixa taxa de complicação (aproximadamente 1%)

  • Afastamento das atividades habituais por um período de 1 semana ( 2 semanas para atividades que exigam grande esforço físico)

  • Pequenas cicatrizes 

 

 

Escrito por Dr. Artur Chagas Vilela dos Reis CRMSP:124.285